Jeremias – Parte I

Tempo de leitura: 13 minutos

Jeremias, Uma missão inegociável 

Jeremias, um profeta com o caráter descrito por alguns escritores como o mais sofrido mensageiro de Deus é destacado como: “Vigoroso na batalha, desafiou e contestou a injustiça, a falsidade e a vilania”

Conhecido como o profeta das lágrimas, tudo ele fez para conduzir seus contemporâneos aos caminhos do Senhor.

Jeremias - Parte I

Suas advertências infelizmente não encontraram abrigo no coração dos Judeus. Diante da apostasia do seu povo o profeta é obrigado a suportar o insuportável:

“Atendei e vede se há dor como a minha dor” (Lm 1:12).

A Origem do Sacerdócio do Profeta Jeremias

Jeremias nasceu em uma cidade sacerdotal chamada Anatote. Essa cidade ficava a uns seis quilômetros a nordeste de Jerusalém,

O seu ministério foi exercido entre 626 a 586 a.C. Pela sua linhagem Jeremias poderia ter exercido um oficio levítico,

Que lhe traria prestígio e segurança; uma vez que os sacerdotes eram honrados como se fizesse parte da nobreza.

Ele era Contemporâneo dos Reis Josias, Jeoaquim e Zedequias (Jr1:3). O ministério deste profeta se deu em um período muito crítico da história de Israel.

A Vocação de Jeremias

Não sabemos a idade em que o profeta iniciou seu ministério profético. Teria ele vinte e um anos?

Ou seria um adolescente levítico que sonhava exercer o ministério do altar? A bíblia limita-se a informar que não passava de uma criança (Jr 1:6),

“Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e antes que saísse da madre te santifiquei e as nações te dei por profeta”

Foi desta forma que o Senhor vocacionou o jovem de Anatote.

“Então disse eu: Ah, Senhor DEUS! Eis que não sei falar; porque ainda sou um menino.” (Jr 1:6)
Se não sei falar, como ser mensageiro de Jeová? O Senhor fez três coisas com relação a Jeremias:

JEREMIAS - Parte I

1°) Conheceu

2°) Santificou-o

3°) E o Deu as Nações.

O Profeta ainda não existia, mas já era conhecido por Deus; ainda não estava ciente de sua missão,

Porém já se achava santificado para o ministério; ainda não sabia falar, contudo o Senhor já o tinha dado aos povos como arauto.

A Postura de um Profeta

O chamado de Jeremias não foi para ser homem do povo, ele não estava preocupado com o marketing pessoal.

Da mesma forma não achava que a voz do povo era a voz de Deus. A voz de Deus nós bem sabemos que é a Bíblia Sagrada.

Ciente da sua chama Jeremias adotou uma posição que viria no futuro a desagradar a nobreza e ao povo,

Mas que poderia ele fazer naquele momento? Se agradasse aos poderosos de Judá desagradaria ao todo poderoso de Israel.

Jeremias se viu em uma situação bem difícil. A quem estamos agradando? Se ficarmos amigo do mundo Deus será nosso opositor.

A Apostasia de Israel nos tempos de Jeremias

O termo apostasia vem do vocábulo grego apostásis, que significa afastamento, ou seja, apostasia é o abandono

Consciente e premeditado da fé que nos foi revelada através do nosso Senhor Jesus Cristo (Tm 4:1). É o desvio que conduz a morte espiritual.

Deus chamou Jeremias para que gritasse contra a rebeldia da casa de Judá. Ele tinha a missão de exortar o rei a obediência;

chamar os sacerdotes a santificação; desestimular os falsos profetas e alertar o povo quanto a sua desgraça, que estava próxima

Vindo dos seus próprios vizinhos. A ordem de Deus era explicita: “Vai e clama aos ouvidos de Jerusalém, dizendo: Assim diz o Senhor” (Jr2:1,2). Para esta missão o profeta precisaria de:

1°) Falar em Nome de Deus.

O profeta falaria em nome do Deus todo poderoso. Todo o Israel deveria ter reconhecido Jeremias como o autêntico profeta do Senhor.

2°) Ser Autêntico e Não Politicamente Correto.

Esse é o problema de muitos pregadores: a síndrome do politicamente correto. Sacrificam a pureza do evangelho nos púlpitos por interesses que passam rápido e são abomináveis.

Jeremias foi chamado para ser autêntico, tendo como único compromisso, proclamar a palavra de Deus.

3°) Anunciar ao Povo a Tragédia Que os Rondava.

Do rei ao mais insignificante dos súditos achavam que não seriam castigados por Deus, afinal não eram eles Israelitas?

E não pertenciam aos pactos? Não estavam eles no santo templo em sua terra? Porque haveriam de ser castigados?

Jeremias os advertiu que essa impunidade que eles acreditavam era pura ilusão. Se não se arrependesse muitos sofreriam sob o ataque babilônico.

Temos falado a verdade a nossa geração e temos visto eles se iludindo com falsas doutrinas.

Em Que se Fundava a Apostasia de Israel?

Os filhos de Judá se rebelaram contra o Senhor e esqueceram de toda a benignidade, voltando-se para os ídolos.

O povo não mais se lembrava do Senhor que o tinha tirado com mãos forte do Egito. Era como se Deus não lhes representassem coisa alguma.

Os filhos de Israel desprezaram as coisas divinas, “houve alguma nação que trocassem os seus Deuses, posto não serem deuses?

Todavia o meu povo trocou a sua glória pelo que é de nenhum proveito?” (Jr 2:11). Se os filhos de Israel trocaram a glória de Deus pelos ídolos vãos,

Quantos de nós estão trocando a simplicidade do evangelho por falsas teologias e modismo abomináveis.

 Jeremias, Chamado Para Pregar na Porta do Templo

Não seria mais cômodo o profeta ter ido pregar na praça central de Jerusalém, ou no altar? A situação de Judá era gravíssima

e Jeremias não tinha tempo para expor um sermão aos sacerdotes da época, e nem uma mensagem apropriada ao povo.

Ele precisava proclamar a palavra de Deus a todos os filhos de Judá, por isso lhe ordenou a Senhor que ele ficasse na porta do átrio exterior,

assim ele teria acesso ao átrio interno e todos iriam lhe ouvir. Nesses últimos dias o senhor nos exorta e proclamar a sua palavra ao mundo e nas igrejas.

Se compactuarmos com o mundo, como ficaremos diante do cordeiro.

Jeremias: O Combate a Teologia do Templo

Apesar da advertência de Jeremias o povo não acreditava que Deus permitiria a destruição da cidade santa,

e rebatiam o profeta alegando: Templo do Senhor; templo do Senhor; Templo do Senhor é este! (Jr 7:4).

Acreditavam fielmente que jamais Deus destruiria Jerusalém porque nela se encontrava o templo.

Como, pois, consentiria ele na profanação da cidade Santa? Afinal no templo estava a arca e se fosse destruído o nome do Senhor também seria. Arrogantemente, sentiam-se seguros.

Jeremias rebate energicamente essa teologia ilusória, pois o compromisso de Deus não é com símbolos ou ícones que o homem insiste em criar;

Seu compromisso é com guardar a palavra e obedecem observando as alianças. Iludidos com suas falsas e ilusórias teologia,

Os judeus começaram a andar de apostasia em apostasia desprezando a Deus. Adoravam as abominações dos gentios,

Maltratavam os pobres e humilhando os estrangeiros, não estavam nada diferentes dos pagãos.

Viviam como se não tivesse leis, adulteravam, roubavam e derramavam sangue inocente, depois escarneciam dos mensageiros de Jeová, ]

Tudo isso como se nada tivesse acontecendo e ainda exclamavam: “Templo do Senhor, Templo do Senhor, Templo do Senhor é este”.

JEREMIAS - Parte I

O Lamento de Jeremias

Durante todo o seu ministério, Jeremias não fez outra coisa que não fosse lamentar a rebeldia do povo de Judá

Que vivia de deboche e sem dar nenhum tipo de credito as palavras do profeta. Assim podemos ver que Jeremias chega ao clímax.

Ele anseia pela solidão e deseja a morte. As lágrimas do profeta lastimando o estado moral e espiritual de seu povo:

“Oh! se a minha cabeça se tornasse em águas, e os meus olhos numa fonte de lágrimas! Então choraria de dia e de noite os mortos da filha do meu povo.” (Jr 9:1)

Um profeta solitário que almeja retirar-se para um lugar deserto e assim não mais ver o estado moral e deplorável dos seus contemporâneos:

“Oh! se tivesse no deserto uma estalagem de caminhantes!” (Jr 9:2). É assim que muitas vezes nos sentimos?

Desejando nos isolar do mundo, mas o Espírito Santo nos fortalece a manter a nossa posição, foi por isso que o Senhor rogou ao pai:

“Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal” (Jo 17:15).

Muitos Homens de Deus Lamentaram Diante da Ruína do Seu Povo:

O Lamento de Samuel

O profeta Samuel viveu o seu momento mais difícil quando o povo hebreu, imitando os gentios,

Reivindicaram um Rei (1 Sm 8:6), como Israel poderia cometer tão grande ingratidão? Não era Deus o seu rei?

E porque não esperar pelo rei messiânico conforme prometera o Senhor ao patriarca Jacó? (Gn 49:10).

Se foi grande o lamento de Samuel, maior foi o lamento de Deus “E disse o Senhor a Samuel:

“Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado, para eu não reinar sobre eles” (1 Sm 8:7).

O Lamento de Oséias

Oséias é considerado o Jeremias do reino do norte. Ele muito sofreu por causa das apostasias das dez tribos.

Foi através dele que o Senhor lançou um dos mais inexprimíveis lamentos das Sagradas Escrituras

“O meu povo foi destruído porque lhes faltou o conhecimento” (Os 4:6).

O Lamento de Paulo

Dos lamentos declarados por Paulo, com certeza este é o mais eloquente “Ó insensatos gálatas!

Quem vos fascinou para não obedecerdes à verdade, a vós, perante os olhos de quem Jesus Cristo foi evidenciado, crucificado, entre vós? (Gl 3:1).

Mas na frente o apóstolo abre o seu coração: “Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós;” (Gl 4:19).

Esses gálatas receberam o evangelho de forma amorosa e sacrificial, mas se deixaram-se seduzir por um evangelho que não era evangelho. Paulo nos adverte:

 

“Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo” (2 Co 11:3).

Não está Deus lamentando também por nós? E diante do nosso Senhor, Ele ainda é o nosso rei? Ou será que já o trocamos por coisa de nenhum valor?

Ainda aceitamos a sua soberania ou já coroamos o mundo como nosso rei e senhor? Infelizmente repete-se a triste e lamentável história.

A intercessão de Jeremias 


Podemos compreender que, toda intercessão é oração, mas, nem toda oração constitui-se em intercessão.

A intercessão é a oração que fazemos a Deus, não há mais ficaria na oração, quando intercedemos por outros, estamos demostrando amor ao altíssimo.

Moisés por exemplo, chegou a abdicar sua bem  aventurança “Agora, pois, perdoa o seu pecado; se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito.” (Êx 32:32).

Em seguida vemos Jeremias, um grande intercessor do Antigo Testamento, lutar em oração pelos filhos de Judá.

Jeremias intercede por Judá

Não se sabe exatamente quando se deu a calamidade em que o profeta descreve de forma irretocável.

O que sabemos é que, naquele instante tão grave, havia alguém disposto a interceder por sua nação.

Se a estiagem parecia estar devorando o reino de Judá, as lágrimas do profeta Jeremias, qual orvalho de Hermom,

lá estava para molhar o coração de Deus, cuja misericórdia duram para sempre. A intercessão de Jeremias foi rejeitada por Deus, que declara explicitamente ao profeta:

“Não rogues por este povo para bem. Quando jejuarem, não ouvirei o seu clamor e quando oferecerem holocaustos e ofertas de manjares, não me agradarei deles; antes, eu o consumirei pela espada e pela fome, e pela peste” (Jr 14:11,12; cf. 7:6; 11:14).

Será que a ira de Deus era tão grande que Ele seria capaz de ignorar até a petição de Samuel e Moisés?

Os dois maiores intercessores da Antiga Aliança? Caso eles voltassem a vida? Para rogar em favor daqueles rebeldes?

Diante da recusa divina o que faz Jeremias? Abandona seus compatriotas
Sente-se tranquilo por haver cumprido suas obrigações como atalaia de Deus?

Seu ministério parecia destinado ao fracasso. Mas quando lemos os demais capítulos de sua profecia,

Vemos que apesar do quadro desolador, achava-se o Senhor inclinado a socorrer o seu povo e a restara-lhe a sorte em tempo oportuno.

Porque devemos interceder?

Todos nós que professamos o nome de Jesus Cristo devemos exercer o ministério da intercessão,

Este ministério é uma recomendação bíblica. Como podemos esquecer o exemplo de Abraão? Ou o sacrifício de Samuel?

Ou a emocionada oração do rei Salomão no templo sagrado? E a agonia de Cristo no Getsêmani? A recomendação que temos não nos deixa dúvida:

“[…] Orai uns pelos outros” (Tg 5:16; Cl 1:3; 4:3).

Não há maneira melhor de demostrar o amor que temos uns pelos outros, quando oramos intercessoriamente.

Experimente interceder pelos outros, mesmo que você esteja passando por dificuldades. O patriarca Jó, livrou-se do seu cativeiro quando intercedia por seus amigos (Jó 42:7-12).

Muitos crentes se esforçam para manter uma vida de oração, mas não conseguem orar além de cinco ou dez minutos.

Esses não conseguem perseverar na oração. Quando estiver orando esqueça de si e ponha-se a suplicar por todos aqueles que estão passando por provações.

Este é o segredo de uma poderosa vida de oração. Devemos seguir o exemplo de Jeremias e interceder por todos .

Veja outros estudos aqui               

Deixe seu comentário